FANDOM


Esta página é sobre o volume, para verificar outras páginas com o mesmo título vá para: Controle.

Controle (コントロール, Kontorōru) é o 2º volume de Yakusoku no Neverland. Agrupa os capítulos 8 ao 16. Foi lançado no dia 3 de Fevereiro de 2017.

CapítulosEditar

Capítulo 8: Tive Uma IdeiaEditar

Dia 18 de Outubro de 2045. Emma sai alegre com uma bola pra brincar com seus irmãos, Mama Isabella a para e arruma sua gola, que ela nem tinha percebido, fazendo Ray a chamar de menino pelo relaxo, irritando-a. Mama passa a mão em sua orelha esquerda e Emma a abraça. Emma se despede e se afasta de Mama, com a expressão de felicidade e carinho desaparecendo nas duas, com Ray parabenizando-a. Gilda e Irmã Krone observam Emma correndo. Emma, Norman e Ray se encontram na floresta e ela conta o que descobriu sobre os transmissores, ela se desculpa, pois já tinha visto as marcas antes e nunca tinha dito nada, mas Norman diz que ela fez bem e agora eles poderiam dar um próximo passo: como se livrar deles.

Eles discartam a possibilidade de fazer uma incisão para ver o transmissor, pois Mama sempre checa suas orelhas esquerdas e notaria um machucado. Ray afirma que os transmissores tem limitações, pois não podem identificar as pessoas e não tem nenhum sinal no Portão ou no muro, mas, mesmo assim, os Demônios ainda confiavam neles e, sem que eles sejam destruídos, eles não poderão escapar. Norman cria uma hipótese de que os transmissores alertariam os demônios caso fossem quebrados, assustando Emma, Ray diz que é uma possibilidade. Os dois começam a discutir quando devem quebrá-los, assustando Emma. Ray pede para que deixem a parte dos transmissores com ele e os dois concordam. Eles partem para a próxima parte: como levar todos com eles. Norman diz que terão que mentir, pois as crianças acreditam em Mama e muitas não lidam bem com a verdade, Ray também comenta que muitos tem pouco fôlego e são burros, causando a ira de Emma, que tenta bater nele. Ela revela que tem uma ideia para que eles possam fugir com todos.

Treinamento

O pega-pega em equipes planejado por Emma.

9 dias depois, Ray está sozinho lendo, ele é abordado por Mama, que pergunta aonde estão os outros, ele se faz de desentendido e fala que eles devem estar brincando. É mostrado todas as crianças brincando de pega-pega com Emma na floresta. Em um flashback, Emma conta aos dois que seu plano é fazer um pega-pega onde eles exercitariam suas habilidades físicas e estratégicas, possibilitando a fuga se fizessem isso todos os dias. Ela afirma que ensinará a eles como se mover e os dois ensinariam como usar o cérebro. De volta ao presente, Lani está correndo pela floresta e vê uma pegada, ele lembra que Norman disse para sempre verem as pegadas, então ele cria duas pegadas falsas e foge em outra direção, agradando Norman, que escondido via tudo. Em outra parte da floresta, Don analisa o som do vento e percebe que está tudo certo. Thoma está feliz por não ter sido pego ainda, mas é pego em seguida por Norman. Ray diz a ele que esconder seus rastros não era o suficiente, deveria seguir os do inimigo. Ray nota que Irmã Krone não estava mais ao lado de Mama e se assuta. Krone aparece na floresta e pergunta se poderia se juntar a eles.

Capítulo 9: Vamos Brincar de Pega-PegaEditar

eguindo os eventos do fim do capítulo anterior, Ray pergunta o porquê de Irmã Krone querer brincar com eles, ela afirma que quer ser amigas de todos. Ray está incomodado com isto, mas Norman afirma que ela não será capaz de descobrir nada. Emma muda sua expressão séria para uma feliz, como agiria antes de descobrir a verdade, reconhecendo que esta era a oportunidade deles conhecem seu inimigo. Krone estabelece que o tempo limite é de 20 minutos e ela será a pegadora, animando as crianças. Ela conta até 10 e o jogo começa, com as crianças espalhadas pela floresta.

Krone séria

Krone passando a jogar sério.

Em pensamento, Krone diz que até agora tem sido apenas um cão de guarda, mas iria usar este pequeno teste para descobrir quem são os alvos e estar um passo a frente de Isabella, decidida a descobri-los e roubar o cargo de Isabella. Em uma parte da floresta, Norman deduz que o plano de Krone é vir atrás dos cinco mais velhos primeiro e depois atrás das crianças menores, o que era verdade. Porém, Krone percebe os rastros falsos deixados pelas crianças, entendendo que todas as crianças são diferentes das normais. Ela muda de planos e deixa seu radar de lado, decidindo usar as informações de cada criança que memorizou, afirmando que era hora de ser séria.

Krone coloca uma trilha com folhas marcadas, estas folhas atraíramm a atenção de várias crianças, que seguiram a trilha e foram pegas por ela, surpreendo o trio mais velho. Em seguida, ela pega outras crianças um tanto mais velhas, como Nat, Anna e Thoma. Krone persegue Lani pela floresta, que entra em um tronco para tentar escapar, mas ela quebra o tronco facilmente com um soco. Lani corre até as outras crianças pegas e afirma que a irmã é sinistra, se surpreendendo ao ver que Don e Gilda já foram pegos. Ele pergunta se só sobraram os 3, mas Nat afirma que ainda faltam Phil e Maya. Emma corre até os dois e impede que sejam pegos, pulando para uma parte funda da floresta. Emma se esconde atrás de uma pedra e pede para os dois ficarem quietos. Krone a segue e começa a procurá-la, Emma se surpreende por ela não estar cansada. Krone aponta os pontos fracos dos três: o de Norman é o fôlego, o de Ray é que ele desiste muito rápido e o de Emma seria a ingenuidade, sendo ela extremamente otimista, querendo salvar os outros antes de si. Ela afirma à Emma que, se ela viu a colheita, estava ao lado dela, encontrando-a e pegando-a em seguida.

Norman assustador

Norman afirma que eles podem matar Krone.

As crianças se desesperam por faltarem apenas 2. Faltando 8 minutos e 40 segundos, Krone planeja pegar Norman e usar os minutos restantes com Ray. Os dois vão em direções opostas e Krone opta em seguir Norman. Ela está confiante que irá pegá-lo, mas, quando se aproxima dele, ele sai de sua frente rapidamente, surpreendendo-a. Ela não entende porque não consegue pegá-lo, já que era claramente superior a ele. Ela finalmente entende que as crianças de Isabella não são especiais por suas notas, sendo pega por Ray enquanto estava distraída. Todas as crianças comemoram a vitória dos dois. Krone compara a fazenda com um zoológico de perigos imprevisíveis, ela tem certeza que Norman e Ray são os alvos, mas não consegue deixar de notar Emma. Em pensamento, Emma está irritada porque não conseguiu fugir com os dois de Krone, afirmando que não era nada comparado com os demônios. Norman e Ray decidem que deverão escapar em times pequenos, liderados pelos três. Vendo que a estratégia para pegar Krone funcionou, Norman afirma que poderão matá-la sem problemas.

Capítulo 10: ControleEditar

Emma e as outras crianças estão brincando de pega-pega em equipes. Rapidamente o foco muda para um flashback de Emma, que mostra uma conversa entre Norman e Ray, onde Ray diz que, para todos consigam escapar em segurança, é necessário que as crianças formem times. Assim, Emma se oferece para treinar as crianças. Ray diz que, para isso, ela terá que decorar 10 tipos de formações de times, o que ela prontamente diz que será fácil. De volta ao presente, Norman diz que pretende contar o segredo do orfanato para Don e Gilda e deixará ambos liderarem um time.

No refeitório, Ray pergunta a Norman o que pretendem fazer com Mama e Krone, já que os dois são os únicos que poderiam lidar psicologicamente com isso. Norman responde que iriam incapacitar elas individualmente, o que seria mais difícil do que matar elas. Ele então comenta que não poderiam matar elas, já que possivelmente os demônios as monitoram, para saber se é necessário trocá-las caso estejam com a saúde debilitada.

Novamente na floresta, Norman e Emma começam a conversar sobre a quantidade de coisas que aprenderam nos últimos dias. Norman diz que acha que Isabella já sabe que eles são os alvos e que Ray se juntou a eles. Ele diz que o motivo de saber disso é o jeito que ela usa a Krone. Norman, por fim, diz que o que mais intrigou ele foi o fato da Mama não estar fazendo esforço algum para encontrá-los. Emma diz que se ela soubesse disso desde o começo suas ações não fariam sentido e que não tem meios de descobrir quem eles eram apenas pelo sinal do transmissor. Ray então diz que Isabella tem sua própria maneira de monitorá-los além de um transmissor: Um espião entre as crianças.

A cena muda para Isabella e Krone conversando dentro do Orfanato, onde Isabella diz a Irmã Krone que ela não passa de um mero peão, uma contra-medida e que não há nada que ela possa fazer além de ser o peão dela, e, enquanto servir como seu pião, Isabella dará uma posição de Mama para Krone. Isabella então pergunta como foi o jogo de Pega-Pega contra as crianças, onde Krone se lembra de sua derrota. Após isso, ela imagina se tudo aquilo não passou de um plano dela. Isabella dispensa Krone.

Capítulo 11: Espião - Parte 1Editar

Capítulo 12: Espião - Parte 2Editar

Capítulo 13: Espião - Parte 3Editar

Ray confirma ser o espião

Ray confirma ser o espião de Mama.

Continuando com o fim do capítulo anterior, Norman pergunta a Ray se ele era o espião de Mama Isabella. Ray sorri e pergunta do que ele estava falando, Norman diz que ele não havia feito apenas duas e sim quatro armadilhas, falando para Ray e Emma que diria que as cordas estariam embaixo de sua cama e a outra no teto do banheiro, mas, na verdade, disse a Don e Gilda que as cordas estavam na biblioteca e na sala de jantar, sendo as que estavam debaixo da sua cama as únicas a sumirem. Ray deita em sua cama e começa a rir, expressando seu erro ao pensar que enganaria mais tempo Norman, por considerá-lo alguém do tipo molenga, revelando em seguida que ele era realmente o espião de Mama.

Ray pergunta desde quando suspeitava dele, Norman responde que desde a noite em que Irmã Krone havia ido a seu quarto, revelando que ele foi sua suspeita desde o começo, já que ele ser o informante seria o pior cenário para eles, enquanto seria o melhor cenário para Mama. Em seguida, ele pergunta se ele já era um espião há muito tempo, já que Mama não confiaria tanto em um informante improvisado, mostrando uma cena do Capítulo 2, aonde Mama abre um livro com um papel de Ray, entregando Norman e Emma, revelando vários momentos em que Ray agiu como espião. Ray diz que ele já era espião de Mama faz muito tempo, surpreendendo Norman, que chega a conclusão que ele também era um subordinado dela, ato que ele confirma. Enquanto isso, ele percebe que Ray era usado para liderá-los, o gado, para onde Mama quisesse, observar, cuidar e checar a taxa de crescimento da mercadoria. Ele confirma ser como um cão guarda de um pastor.

Norman pergunta se, mesmo sabendo a verdade, Ray apoiava Mama e ele confirma. Norman pergunta se tudo que eles viveram ao lado dele foi uma mentira e pergunta o quanto ele perguntou a Mama, se ele realmente podia destuir os transmissores, Ray pergunta o motivo dele querer saber, já que o tiraria do plano mesmo. Norman, no entanto, diz que não o faria, pois queria salvá-lo. Em seguida, ele conclui que o motivo deles não terem sido enviados de imediato era por causa de Ray, que seria uma perda muito importante para Mama, descobrindo parte de seu plano. Ray pergunta o que ele queria e Norman responde que quer três coisas: ficar e fugir com eles, contar-lhes todas as informações que tem sobre eles e enganar a Mama, se tornando um espião para eles. Ray pergunta se ele era idiota, dizendo que, se esse era seu plano inicial, era melhor tê-lo usado e depois eliminá-lo quando necessário, sendo a melhor opção possível.

Norman lembra de sua conversa anterior com Emma, aonde ela diz que pouparia a vida do espião, levando-o com eles, revelando que ainda queria acreditar neles, principalmente após o incidente com Gilda, acreditar que eles não tinham um coração ruim. Ela diz que mesmo que eles entrem no seu caminho e os traiam, podendo até chamada de ingênua, ainda queria ter fé neles. Norman revela que ainda quer ter fé em Ray, acreditar que colocou a amizade assima de seus objetivos e, em seguida, pergunta se foi ele que colocou Bernie de propósito para ser encontrado por Emma e assim montar o cenário da "fuga da prisão". É mostrado Ray pegando Bernie de Conny, momentos antes dela partir. Norman descobre que, se Emma não tivesse achado Bernie, o próprio Ray iria mostrá-lo a ela, assim como foi graças a ele que Norman e Emma foram ao portão, revelando que ele queria que eles descobrissem a verdade sozinhos. Norman também diz que Ray não foi totalmente leal à Mama, ajudando-os a melhorer os planos de fuga, também deixando Mama na linha, não dizendo informações importantes que os comprometessem para ela, e pergunta se ele era um inimigo, Ray nada responde. Norman pergunta o motivo dele estar trabalhando para Mama, acabando com Ray sorrindo.

Capítulo 14: Carta de TrunfoEditar

Capítulo 15: Não OuseEditar

Capítulo 16: O Quarto Secreto e William MinervaEditar

Comentários dos AutoresEditar

As colunatas da bilbioteca de Grace Field House possui livros ocidentais em um dos lados que vai da parede até o telhado - totalmente fechados! Eu queria poder viver num lugar desses, mas eu não quero ser enviado, então me desculpem! Para o terceiro volume, vocês devem esperar por um quarto secreto. Grace Field House tem vários outros segredos também.

—Posuka

1 - Ver os personagens menores foi divertido (Ver o personagem do Demizu-Sensei foi bem divertido).

2 - Se há regras em relação aos números? Sim, há. Em relação a isso, nos extras, eu adicionei uma tabela (uma parte) contendo personagens menores e seus números (Como uma dica). Bem, por favor aproveite esse volume.

—Kaiu


GaleriaEditar

CuriosidadesEditar

  • Esse volume vendeu cerca de 16 mil unidades a mais que o anterior num período de 3 dias após seu lançamento. O Primeiro volume ficou na 21° posição no Ranking Oricon de mangás mais vendidos quando estreou, enquanto o segundo ficou em 10°.
  • A partir desse volume, a série ultrapassa as vendas de PSI Kusuo Saiki e se torna a 10ª série mais vendida por volume da Weekly Shonen Jump.